21 de março de 2015

A condenação de Levy Fidelix e a suposta 'Ditadura gay'

Eu fico indignado quando alguém diz que a multa aplicada a Levy Fidelix é um indício de DITADURA GAY. Então vamos explicitar ponto a ponto o que ele disse e analisar o que ele quis dizer e pensemos se temos indício para chamar o país de 'Ditadura gay'.

“Aparelho excretor não reproduz. Como é que pode um pai de família, um avô ficar aqui escorado porque tem medo de perder voto? Prefiro não ter esses votos, mas ser um pai, um avô que tem vergonha na cara, que instrua seu filho, que instrua seu neto. Vamos acabar com essa historinha. Eu vi agora o santo padre, o papa, expurgar, fez muito bem, do Vaticano, um pedófilo. Está certo! Nós tratamos a vida toda com a religiosidade para que nossos filhos possam encontrar realmente um bom caminho familiar”

O cara ensinua que quem defende casamento gay não tem vergonha na cara, diz "pra acabar com essa historinha" (de ser gay), confunde ser gay com ser pedófilo, na verdade ele quis dizer que todo gay é pedófilo. Levy Fidelix diz que temos que instruir nossos filhos e netos, só não diz exatamente para que. Na minha visão das duas uma: Ou para ser contra a homossexualidade ou com uma boa instrução as crianças não se tornariam homossexuais. Acredito que a segunda opção é o que ele quis dizer. Fico me perguntando que instrução seria essa e com base em que ele diz isso? Talvez se baseie em pesquisas científicas ou apenas no seu 'achismo' ignorante e preconceituoso? Ao dizer isso, ele ainda culpa os país pela homossexualidade dos filhos, coisa que não tem a mínima evidência em lugar algum.

"Luciana, você já imaginou? O Brasil tem 200 milhões de habitantes, daqui a pouquinho vai reduzir para 100 [milhões]. Vai para a avenida Paulista, anda lá e vê. É feio o negócio, né? Então, gente, vamos ter coragem, nós somos maioria, vamos enfrentar essa minoria. Vamos enfrentá-los. Não tenha medo de dizer que sou pai, uma mãe, vovô, e o mais importante, é que esses que têm esses problemas realmente sejam atendidos no plano psicológico e afetivo, mas bem longe da gente, bem longe mesmo porque aqui não dá"

Aí na réplica, sugere que é feio ser gay, inflama a maioria para enfrentar a minoria gay. Pedir para a maioria 'enfrentar a minoria' é bastante perigoso num país em que gays são atacados, espancados e até mortes, simplesmente por serem gays, não seria isso uma incitação a atos desse tipo? Está certo, vamos acreditar que ele não quis falar sobre enfrentamento físico, mas, a declaração dele não abre margem para isso, principalmente na cabeça dos mais fanáticos? Para alguns, uma frase como essa já é mais do que suficiente para incitar a violência contra os gays.

 Depois diz que os gays devem ser atendidos no plano afetivo e psicológico, mas, "bem longe da gente, bem longe mesmo porque aqui não dá", ou seja, prega a segregação dos homossexuais. Tipo o que foi feito na 2ª Guerra Mundial ou no Apartheid na África do Sul, ou na Segregação Racial nos EUA e outros casos? Dizer que isso é um crime, transforma o Brasil numa Ditadura Gay? Meus amigos, sejamos sensatos, por favor. Isso não é Liberdade de Expressão, isso é discurso de ódio.

Na verdade, estamos num processo de banalização da palavra Ditadura, em nenhuma ditadura do Mundo seria possível difamar, injuriar e até incitar a violência contra os ditadores em rede nacional e 'apenas' sofrer uma multa. Falemos a verdade, aqui não tem nenhuma criança. Talvez, para os fiéis fanáticos de alguma Igreja Conservadora, essa retórica funcione, mas, à luz do que realmente foi dito e à luz da realidade que vivemos no país, essa estória de 'Ditadura Gay' não resiste a um mínimo de pensamento crítico. Na verdade o que se deseja não é a Liberdade de Expressão, é a Liberdade de Caluniar e difamar o outro sem sofrer nenhuma consequência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário