28 de fevereiro de 2013

Cotas raciais sim!


A polêmica continua sobre as cotas raciais, e mais uma vez qualquer cidadão politizado vê uma clara distinção entre direitistas e esquerdistas, os primeiros contrários a adoção das cotas raciais (e quase todas as políticas sociais imagináveis) e os outros cada vez implementando mais políticas desse tipo no país. Agora começo um breve resumo sobre os argumentos contrários e favoráveis as cotas, sem deixar de colocar minha opinião (que já está explícita no título).

A lei que ouriçou esse debate foi o PLC 180/2008 aprovado no Congresso e agora é a lei 12.711/2012, apelidada de Lei de Cotas, que prevê a reserva de 50% das vagas nas Universidades Públicas a alunos oriundos de escola pública e dentro desse percentual haverá um percentual reservado para a cota racial que será equivalente a quantidade de pretos, pardos e indígenas naquele estado.

Eu tinha um posicionamento contrário a adoção de cotas, mas, depois de ouvir o seguinte relato do Senador Cristovam Buarque (PDT-DF) eu comecei a mudar de ideia: Em conversa com uma professora de uma Universidade Estadunidense (dos Estados Unidos) durante uma visita dela ao campos da UnB (Universidade de Brasília), o senador a questionou quais diferenças ele percebia entre as universidades dos Estados Unidos e do Brasil. Ele respondeu que eram muito parecidas, os prédios e a estrutura mas, que aqui no Brasil não tinham negros. E ela o questionou o porquê de não adotarmos cotas para os negros aqui no Brasil como já faziam nos Estados Unidos.

Depois desse relato me interessei um pouco sobre a história e a justificativa das cotas raciais no Brasil e vi que o próprio governo brasileiro causou esse disparidade social entre brancos e negros, quando durante décadas fingia não ver os negros vivendo em péssimas condições de vida, sem emprego, sem educação, sem saúde, pois, tudo nesse país era feito pela e para a elite branca.

Qualquer indicador social que você comparar negros e brancos verá que os primeiros estão em situação pior, exemplos: taxas de homicídios, anos de escolarização, taxa de analfabetismo, expectativa de vida, acesso ao ensino superior, renda, etc. Será que isso é por acaso? Digo com toda a certeza que não!!!

Fiz um artigo sobre a falta de políticas que preparassem os negros para enfrentar a vida depois da abolição da escravatura:

Então se temos certeza que o governo brasileiro contribuiu decisivamente para a atual disparidade entre negros e brancos porque não tomar uma atitude contrária? Porque não tentar diminuir essa disparidade? Esse é o objetivo da nova lei de cotas. Vejam na sociedade brasileira, as melhores colocações no mercado e na política são ocupadas por brancos, os negros tem pouquíssima representação política: poucos prefeitos, deputados e senadores e nunca tivemos um presidente negro. Por acaso? Não!

Recomendo a leitura:

Argumentos contrários dão conta de uma diminuição da qualidade do ensino superior no Brasil, que dividiria o país em raças, criaria tensão nas universidades, não resolveria o problema da escola pública, entre outros.

Quanto a diminuição da qualidade do ensino superior público no Brasil, pode ser até que aconteça, os estudos feitos com cotistas até hoje no país não revelam uma grande disparidade entre cotistas e não cotistas, sendo que em algumas áreas a melhor desempenho de uns e em outras áreas, os outros se saem melhor. Mas, pode ser que aconteça até porque até agora mesmo com as cotas só os mais bem preparados estudantes da escola pública entravam no ensino superior, a partir de agora com a aumento de número de vagas reservadas para estes, entraram alunos menos preparados, mas, as consequências não devem ser tão alarmantes quanto os direitistas querem tentar passar para a sociedade com matérias do tipo: "Nova lei de cotas serão um desastre para a educação superior pública".

Artigo meu sobre a nova lei de cotas:

A questão de dividir o país em "raças" e que somos um país miscigenado até que é verdade, mas, por mais que sejamos um país miscigenado, "os de pele escura" sempre ocupam os piores lugares na pirâmide social brasileira. Quanto a tensão universitária, é um argumento em parte verdadeiro, os estudantes ricos com certeza excluirão os cotistas, vendo neles a responsabilidade por amigos seus não terem conseguido chegar lá ou até mesmo os impedido em outros anos de alcançar o objetivo, mas, quem está em universidade pública sabe que a universidade já é dividida entre os cursos da elite (Direito, Engenharias, Saúde e dentro desses há divisões quanto a renda) e os cursos dos pobres, essa divisão é clara! Até mesmo os reitores dão maior atenção para os "cursos da elite".

Realmente as cotas não resolverão os problemas da escola pública, mas, não implantar as cotas esperando que a escola pública melhore a nível de concorrer de igual para igual com as escolas de ensino privado é a mesma coisa que dizer que durante muitos anos os estudantes de escola pública terão negadas suas possibilidades de entrar no ensino superior. Não se eleva o nível de um ensino público tão ruim em poucos anos, seria necessária no mínimo uma década. E é isso que a elite quer, o maior tempo possível se perpetuando na elite do país. Assim, eles continuarão formando majoritariamente a classe política por muitos anos a frente.

Esse é a minha visão sobre cotas raciais, se concorda ou discorda fique a vontade para comentar.

2 comentários:

  1. PQNAB! É lançado o pré manifesto e estatutos do PQNAB Partido Quilombo dos Negros Afrodescendentes e Brasileiros em 17 estados da ONNQ unidos a inumeros movimentos e Entidades Negra ativistas e simpatizantes do Brasil que tem um pensamento em comum, o de assumir a responsabilidade e deveres para nossa comunidade e autonomia e conquistas nossos direitos resgatando e redimensionando o poder de nossos valores em favor de nossa comunidade e da nação. Brasil.Viva Zumbi! Brasil.
    Para maiores informações do PQNAB Partido Quilombo dos Negros Afrodescendentes e Brasileiros. pelos Email p.qnab@ig.com.br / p.qnab@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  2. PQNAB! É lançado o pré manifesto e estatutos do PQNAB Partido Quilombo dos Negros Afrodescendentes e Brasileiros em 17 estados da ONNQ unidos a inumeros movimentos e Entidades Negra ativistas e simpatizantes do Brasil que tem um pensamento em comum, o de assumir a responsabilidade e deveres para nossa comunidade e autonomia e conquistas nossos direitos resgatando e redimensionando o poder de nossos valores em favor de nossa comunidade e da nação. Brasil.Viva Zumbi! Brasil.
    Para maiores informações do PQNAB Partido Quilombo dos Negros Afrodescendentes e Brasileiros. pelos Email p.qnab@ig.com.br / p.qnab@yahoo.com.br

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário